quinta-feira, 31 de maio de 2018

LIDERANÇA E EFICIÊNCIA PARA MUDAR O RUMO DA HISTÓRIA
















Por Valdir Inácio
Graduado em Gestão Pública

Sempre acreditei que é possível fazer do que é utópico realidade, através da busca pelo conhecimento, persistência e trabalho. A partir desta introdução convido-lhe a ler com atenção o artigo a seguir, de alguma forma vai ajudar-lhe ou não, a ter uma consciência crítica do momento que estamos passando em nosso país, estado e município.

Ao deparar-se na faculdade com o universo da legislação brasileira que rege a administração pública e na prática diária do trabalho nesta área, confirmei o que sempre soube: a grande maioria dos administradores/gestores amparam-se na MENTIRA de que o município, o estado e o país está imerso em dívidas e por isso não tem como se desenvolver, não sendo possível muito menos administrar da forma adequada, inverdade. Grande parte dos gestores dizem isso, pois preferem alimentar um sistema corrupto e que tem apenas o objetivo de usurpar o dinheiro público em detrimento dos interesses de uma minoria ou próprio.

Quando o gestor quer ser o divisor de águas, ele mostra para si que é possível a partir da sua postura de chefe e liderança. Uma vez que o líder (chefe) da família quer sempre o melhor pra sua casa e seus filhos. Assim também deve ser a postura e o sentimento de um administrator para com o seu povo.

Então, ele deve liderar sua equipe e a sociedade (todos os segmentos e representações) deve construir coletivamente um bom Plano de Desenvolvimento. Instrumento necessário para ter um paramento de suas ações a pequeno, médio e longo prazo. A partir dele será possível trabalhar em busca do alcance dos objetivos e resultados propostos.

Porém, o fator atenuante nesse contexto é o erro do administrador em querer agradar uma minoria (ex-políticos, lideranças que não são líderes, puxa sacos e etc.) que tem o único papel de atrapalhar o andamento do projeto (gestão). Em sua grande maioria, estes são como um cancer maligno que serve apenas para matar os sonhos de milhares de pessoas, e também para levar o gestor ao precipício, a derrota moral, administrativa e política. Ao final do mandato serão os primeiros a virar as costas e dizer que o administrador sempre esteve errado. O antídoto para esse tipo de gente é o rompimento, o corte umbilical de forma firme. Pois, o gestor inteligente e sábio serve ao bem coletivo, estes são o sustentáculos de uma liderança no poder.

Dessa forma, para ter êxito é preciso saber onde se quer chegar, respaldado por um excelente plano de desenvolvimento (ação) e de uma equipe capacitada e leal. Depois, é preciso estancar os excessos, acabar com os vícios, e cobrar de cada ministro (parafraseando Maquiável) o resultado de sua pasta, conforme previsto no plano de ação. Outra etapa importante é a avaliação de todo o processo de forma sistêmica (diária), assim o gestor terá um parâmetro do que está sendo bem sucedido em seu governo, e a possibilidade de fazer os ajustes e as trocas necessárias para o cumprimento do que foi traçado.

Outro pilar importante que o gestor deve ficar atento, é o fato de manter as contas equilibradas, não permitindo gastar mais do que se arrecada. Assim, se for necessário cortar gasto, rever altos salários e reduzir a estrutura administrativa, deve fazer para manter o equilíbrio e as contas em dias. Em outras palavras, é preciso entender que quando a gestão não é eficiente, ela não representa os anseios da coletividade e tem algo errado que precisa urgentemente de reparo, de solução. 

Outro ponto crucial nesse contexto é a TRANSPARÊNCIA em todas as ações. Pois, o governo que não respeita a legislação e que não apresenta a sociedade as receitas e suas despesas (detalhadas) está fadado ao fracasso e a todo tipo de desconfiança. Uma vez, que o que não pode ser mostrado, supõe-se, que algo ilícito está à vista. Sendo o gestor passível de punição conforme legislação do país, podendo ficar inelegível, ser preso e ainda ter que ressarci o erário público. 

Outro ponto determinante e estratégico para o desenvolvimento do município, estado e nação, é o gestor manter a instituição (prefeitura, estado) com o nome limpo, sem nenhum tipo de restrição junto ao Governo Federal e a outros órgãos do país. Considerando, que a restrição podemos assim entender, é um atestado de ineficiência administrativa, da falta de capacidade da liderança em equacionar o problema. Manter a certidões negativas em dia é um dever de todo gestor, feito isso ele está deixando os cofres públicos abertos para receber emendas parlamentares, recursos oriundos da União e do estado para investir em obras, projetos e ações em benefício de toda a população.

O gestor que apenas consta em uma posição de poder corre o risco de entrar  negativamente para a história, quando deveria deixar um legado de conquistas e lutas para as gerações presentes e futuras. Concluindo, é necessário COMPROMISSO, CORAGEM E EFICIÊNCIA.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos pela sua visita e comentário.