terça-feira, 3 de maio de 2016

WHATSAPP CONTINUA BLOQUEADO POR DETERMINAÇÃO DA JUSTIÇA DE SERGIPE

Imagem/Divulgação
Opinião
por Valdir Inácio
Graduado em Gestão Pública

A medida tomada pela Justiça do Estado de Sergipe, através de seus magistrados, é sem dúvida uma forma de moralizar os serviços de redes sociais disponibilizados por empresas estrangeiras que insistem em não cooperar com a justiça, alegando não ter as informações em seus bancos de dados. É no mínimo espantoso a ideia de as informações postadas nos aplicativos sociais não ficarem armazenadas em algum lugar. 

Independentemente de muitos brasileiros estarem impedidos de usufruir o serviço do WhatsApp, vale lembrar que quando não existia tal rede social, esses mesmos brasileiros e brasileiras viviam normalmente suas vidas. Considerando ainda que, existem outras plataformas sociais que podem substituir o zap. Ao invés de criticar, nós brasileiros deveríamos apoiar a iniciativa da justiça sergipana, só assim teremos mais respeito dentro e fora dos limites de nosso Brasil.

Enfim, viva a Justiça Sergipana! Viva os Magistrados sérios de Sergipe! Orgulho de ser Sergipano e Nordestino!

Continue lendo, clique aqui.

O desembargador Cezário Siqueira Neto negou a liminar do mandado de segurança impetrado pelo WhatsApp Inc e manteve o bloqueio do aplicativo de mensagem instantânea para clientes de TIM, Oi, Vivo, Claro e Nextel pelo período de 72 horas, iniciado às 14h da segunda-feira (2). A decisão do recurso foi publicada às 0h30 desta terça-feira (3) durante o Plantão do Judiciário do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE) e confirmada pela assessoria de comunicação do órgão nesta manhã.

O desembargador plantonista negou a liminar porque entendeu que existem possibilidades técnicas para o cumprimento da ordem judicial da quebra de sigilo das mensagens do WhatsApp(leia o argumento na íntegra ao final do texto).

“Há de ressaltar que o aplicativo, mesmo diante de um problema de tal magnitude, que já se arrasta desde o ano de 2015, e que podia impactar sobre milhões de usuários como ele mesmo afirma, nunca se sensibilizou em enviar especialistas para discutir com o magistrado e com as autoridades policiais interessadas sobre a viabilidade ou não da execução da medida. Preferiu a inércia, quiçá para causar o caos, e, com isso, pressionar o Judiciário a concordar com a sua vontade em não se submeter à legislação brasileira”, argumentou Cezário Siqueira Neto.

A multa para as empresas em caso de descumprimento do bloqueio é de R$ 500 mil. A decisão é do juiz Marcel Maia Montalvão, da Vara Criminal de Lagarto, em Sergipe. O magistrado atendeu a um pedido de medida cautelar da Polícia Federal, que foi endossado por parecer do Ministério Público.

Mais informações,  clique aqui.
G1 Globo Sergipe

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Amigo/a, agradecemos pela sua visita e comentário.