sábado, 11 de abril de 2015

MAIORIA DOS DEPUTADOS DE SERGIPE APROVOU PL DA TERCEIRIZAÇÃO; JOÃO DANIEL E LAÉRCIO OLIVEIRA VOTARAM A FAVOR DO TRABALHADOR

:
Foto/Divulgação
Dos oito deputados federais sergipanos, cinco votaram a favor da aprovação do Projeto de Lei 4.330/04, que disciplina a terceirização no país. André Moura (PSC), Adelson Barreto (PTB), Laércio Oliveira (SD), Fábio Reis (PMDB) e Fábio Mitidieri (PSD) foram favoráveis ao PL; João Daniel (PT) e Jony Marcos (PRB) foram contrários ao polêmico projeto; “O discurso falacioso criou um mantra segundo o qual o projeto torna precárias as relações trabalhistas. Chega a ser constrangedora tamanha desfaçatez", diz Laércio; "O receio é que haja uma terceirização indiscriminada, com as empresas reduzindo os custos através do rebaixamento do padrão de direitos trabalhistas", afirma João Daniel.

Continue lendo, clique aqui.

Dos oito deputados federais sergipanos, cinco votaram a favor da aprovação do Projeto de Lei 4.330/04, que disciplina a terceirização no país. André Moura (PSC), Adelson Barreto (PTB), Laércio Oliveira (SD), Fábio Reis (PMDB) e Fábio Mitidieri (PSD) foram favoráveis ao PL. João Daniel (PT) e Jony Marcos (PRB) foram contrários ao polêmico projeto. Valadares Filho, do PSB, faltou à sessão (ele estava em Sergipe em decorrência do falecimento da sua vó, Dona Caçula Valadares).

O plenário da Câmara Federal aprovou na quarta-feira (8) o texto-base do PL que regulamenta os contratos de terceirização no setor privado e para as empresas públicas, de economia mista, suas subsidiárias e controladas na União, nos estados, no Distrito Federal e nos municípios. Foi mantida na lei a possibilidade de a terceirização ocorrer em relação a qualquer das atividades da empresa. Foram 324 votos a favor do texto, 137 contrários e duas abstenções.

O texto prevê que, quando o contrato de terceirização for entre empresas que pertençam à mesma categoria econômica, os empregados da contratada envolvidos no contrato serão representados pelo mesmo sindicato dos empregados da contratante, observados os respectivos acordos e convenções coletivas de trabalho. Propostas de destaques (alterações do texto) ainda serão discutidas pelo plenário na próxima semana.

Posição

Laércio Oliveira afirma que o PL é muito bom para o Brasil porque vai estimular a economia nesse momento de crise, gerar emprego e proteger o trabalhador terceirizado. “É uma conquista para o Brasil que trabalha”, frisou. “O discurso falacioso criou um mantra segundo o qual o projeto torna precárias as relações trabalhistas. Chega a ser constrangedora tamanha desfaçatez. Uma rápida leitura desse arcabouço legal derruba os frágeis argumentos disseminados com o único propósito de apresentar à opinião pública uma impressão errônea”, defendeu.

O deputado informa que de acordo com o texto do projeto, “o trabalhador terceirizado receberá o mesmo tratamento médico, de transporte, de segurança, de treinamento e de alimentação, disponibilizado pela contratante aos seus funcionários”. Além de ser vedada a intermediação de mão de obra, o projeto de lei assegura ainda a “proteção dos benefícios negociados na Convenção Coletiva de Trabalho, da categoria”, obedecendo todos os direitos e deveres estabelecidos na CLT.

Já João Daniel, contrário ao PL, diz que o projeto representa sim precarização da mão de obra da classe trabalhadora. Na avaliação do parlamentar, o PL 4.330/04 amplia a terceirização para a atividade fim, ou seja, a atividade principal. Hoje só é permitido terceirizar as atividades meio das empresas. Com isso, ressaltou João Daniel, “o receio é que haja uma terceirização indiscriminada, com as empresas reduzindo os custos através do rebaixamento do padrão de direitos trabalhistas”.

Brasil 247 /Sergipe

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Amigo/a, agradecemos pela sua visita e comentário.