sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

CRAS de Canindé tem novo Coordenador e expectativas são grandes


CANINDÉ, Sergipe – O CRAS-Centro de Referência em Assistência Social tem um novo Coordenador que já está com a maior parte da equipe de trabalho formada. As expectativas são grandes.

Adeval Marques

Desde a primeira gestão do Ex-prefeito Orlando Porto de Andrade, ainda em 2005, o CRAS foi implantado para verificar situações que se enquadrem dentro do que preconiza a sua política de atuação. É um órgão que faz parte da política de “Proteção Social Básica” básica, ou seja, de enfrentamento as situações que colocam o ser em risco ou vulnerabilidade social. 

Ele foi criado justamente para atuar em áreas vulneráveis onde existam falhas ou ausência de atenção das políticas públicas sociais e também de “vontade política” dos gestores, Prefeitos e Vereadores que não desenvolve melhorias nas comunidades mais humildes e assim acabam por criar as chamadas “Zonas Sociais de Risco” permitindo que os seres sociais residentes nelas estejam propícios a influencias que os levem para situações onde fiquem expostos à “Risco Social”. É um trabalho “socioassistencial” voltado para famílias. 

O local onde funciona o órgão é precário e toda estrutura física precisa ser melhorada ou até ser construída a unidade dotada de melhorias para desenvolver o trabalho que são necessários. 

Todo o parágrafo acima é justamente o que acontece na comunidade do bairro Olaria que ficou famosa por ser a comunidade com o maior número de vendas de drogas, furtos, arrombamentos, estrupos, assassinatos, a escolas incendiadas da comunidade foi incendiada por uma vez e roubada mais duas. É uma comunidade carente de tudo. 

A gestão de Orlandinho acertou quando colocou o CRAS na comunidade e ele deve permanecer, contudo, a mesma gestão pecou em nunca criar um projeto social pelo município ou apoiar a uma instituição que ajudasse de forma efetiva e direta para amenizar ou sanar, de uma vez, a problemática social do bairro já que tudo estava e está devidamente mapeado. 

Nesse oito anos que se passaram nenhuma política pública aconteceu para melhorar os índices de desigualdade social imperantes na Olaria. O bairro conta apenas com uma escola, um posto médico de saúde que funcionou por muito tempo de forma precária, o saneamento básico só atendeu a setenta por cento, não construiu uma quadra de esportes e nem promoveu trabalhos socioeducativos como oficina de arte, nem centro de inclusão digital, muito menos uma mine biblioteca onde os estudantes pudessem ir matar o tempo ocioso gerado pelo contra turno escolar. São débitos deixados pela gestão anterior que administrou R$ 860 milhões e pouco ou quase nada investiu para minorar a problemática da comunidade tão visível em outras que começam a se forma em Canindé. 

A gestão do novo Prefeito Heleno Silva herda um grande débito na área social que precisa ser revertido ou minorado e do qual quatro anos vão se mostrar curto espaço de tempo para resolver, pois, especificamente no bairro Olaria é preciso agir com mais veemência por conta de que nele existe um grande foco populacional da faixa etária de crianças, jovens e adolescentes muito grande. A população desse bairro chega a mais de 4 mil pessoas. Nela Heleno Silva foi vitorioso em sua eleição provando que o derrame de dinheiro lá não surtiu o efeito esperado. 

O novo Coordenador é o sujeito muito atencioso e consegue se sensibilizar com situações onde estejam evidenciadas situações de risco social. Pastor Lázaro da Vitória já foi Coordenador Musical do Portal da Alvorada em 2005 na gestão de Orlandinho. É natural de São Cristóvão, casado, tem dois filhos e preside a Igreja Batista Betel na comunidade Olaria. Tem como experiência o fato de ter sido voluntário em um “Centro de Recuperação de Jovens” é maestro especializado em violão e trompete, também foi Coordenador Musical na cidade de Poço Redondo na gestão de Iziane, em Monte Alegre quando de Aragão e Canindé de São Francisco como já citamos. Pelo reconhecimento do seu trabalho foi homenageado pelo Rotary Clube de São Cristóvão em 2002 e está Presidente da UMESE-União dos Ministros Evangélicos/SE que é um conselho de pastores evangélicos. 

Conversando com o Revista Canindé o Coordenador Lázaro da Vitória afirmou que as condições que recebeu o CRAS não eram das melhores e várias avarias foram encontradas em relação a rede elétrica, o órgão sem proteção física na estrutura. No quadro de funcionários para efetivar os trabalhos estão os profissionais da área de Assistência Social, Psicologia, Diretor Pedagógico, Orientadores e demais servidores das outras situações internas. 

Os desafios que Lázaro e sua equipe vão encontrar não serão poucos. A comunidade tem uma realidade social impar no município. A fama do bairro é tão grande que já atravessou fronteiras através de denúncias aqui no blog que geraram polêmicas e até debates na sociedade e foi vinculado várias vezes nas emissoras de rádios locais saindo em jornais e sites do estado de Sergipe. 

De 2005 à 2007 os índices eram alarmantes. No decorrer desse tempo foram fechadas nove pontos de venda de drogas que vendiam maconha ou crack. Quando há um furto ou assassinato na cidade é logo veiculado a suspeita de que o infrator é residente nela. Quase não existe policiamento que apenas fazem rondas esporádicas em longos intervalos diários. As invasões irregulares de terrenos públicos é outro fato que ajuda a comunidade crescer nos índices de miséria social. Num mapeamento feito pelo CREAS-Centro de Referência Especial em Assistência Social em 2012 percebeu-se um crescente número de crianças em “estado de mendicância” pelas ruas da cidade e o estudo apontou que noventa por cento eram do bairro. 

Todas essas questões colocadas existem porque a falta de vontade política foi o que imperou, fez e continua fazendo fez vítimas, os moradores locais que na maioria são trabalhadores, estudantes e por tanto precisam ser eximidos dessa culpa e preconceitos para com eles. Outro dado interessante é que o bairro se desvalorizou na última atualização feita pela ONG Reflexus Sociais denotando que existe um preconceito por parte da sociedade em reside no bairro que vê valorizar e crescer o bairro Agrovila em qualidade de vida enquanto os moradores da comunidade Olaria amargam o constrangimento público de serem descriminalizados por residirem nela. 

O “tecido social” da comunidade Olaria precisa ser discutido nessa nova administração do Prefeito Heleno Silva dando ênfase para o que pode ser feito de novo em pensar, elaborar e levar à prática as mudanças que toda comunidade vem sonhado desde que surgiu ainda na década de 1990. Falharam todos os gestores que passaram em não ver que a Olaria cresceria indiferente de suas vontades ou não. Essa é uma verdade a ser considerada. 

O CRAS tem uma grande responsabilidade, enquanto instituição estatal pública, de procurar mapear toda a problemática social do bairro e fazer o que não foi feito na gestão passada como num exemplo mais recente. Não há tempo para errar porque todos os erros já foram cometidos e nisso reside a responsabilidade do Coordenador e toda equipe que devem arregaçar as mangas e darem o melhor deles ou o preço será pago por todos e pode estender-se para a situação política. 

Acredita-se que Heleno Silva tenha escolhido o Pastor Lázaro da vitória pelas mais especiais condições. Indiferentemente está o povo que só precisa ver acabar o preconceito social para com eles, de ver baixar ou amenizar, minimamente, os índices e situações sociais que expõe a todos a risco ou vulnerabilidade. 

Nem tudo é ruim e a comunidade já dá sinais de que está melhorando. Recentemente uma construção está sendo feita em um terreno doado pela Prefeitura Municipal e ao que tudo indica acolherá as instalações da Faculdade Pio Décimo. Efeito muito positivo para o local que voltará a ser valorizado e incidira em um novo comportamento e também de atenção dos órgãos governamentais e da sociedade.

Esse artigo informa de forma denunciatória o que se passa na comunidade Olaria na utopia de quem quer ver um local deixar de ser tido como o “pior foco de situações sociais de Canindé de São Francisco” esperando na pessoa do Coordenador, enquanto também cidadão residente nela, uma via de acesso que, sensível a essas mudanças, poder promover a melhoria sociais que urgem serem feitas. 

Pode ser utopia, porém acredito sem perder a minha capacidade de me indignar e também elogiar. Sucesso ao Pastor e Coordenador Lázaro da Vitória e no que pudermos ajudar estaremos a disposição. Estendemos o mesmo a novo Prefeito Heleno Silva que está sendo muito acreditado por mim e por todos que fazem a“Comunidade do Bairro Olaria”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Amigo/a, agradecemos pela sua visita e comentário.